A História de Iacri

Origem do Nome

(Do caingangue, jakri) Iacri deriva do loteamento da fazenda Goataporanga, empreendido pela companhia imobiliária Lélio Piza & Irmãos, proprietária de terras à margem esquerda do rio Aguapeí, no começo do século XX. Quem adquiriu a gleba foi Silvio de Giulli e, em 1933, atraído pelo algodão que se produzia, com grande sucesso, ao longo de toda a Estrada de Ferro Paulista, decidiu ele se instalar, definitivamente em, sua fazenda, o que redundou no desenvolvimento de um povoado. Como informa a prefeitura, o primeiro nome do lugarejo, (então pertencente ao município de Birigui) foi Juliana, uma referência ao sobrenome do dono das terras (Giulli); mas Juliana foi logo preterido por Jacri (antiga grafia de Iacri), que, por sugestão do próprio Giulli, homenagearia um conhecido cacique caingangue da região já falecido. Consagrada, contudo, a homenagem, restaria o insólito: jakri significa muito a ver com qualquer outra realidade, além de ser o chão em que viveu o citado cacique. Ao se emancipar, Iacri pertencia ao município de Tupã.

Adjetivo pátrio - Iacriense.

Denominação promocional“Terra Prodígio”.

Data da emancipação 18/02/1959.

Iacri

Nossa cidade está comemorando seu 71° aniversário de fundação. São sete décadas de trabalho, de conquistas, de fé, de amor, de exemplo dignificante às novas gerações, que resolutos pioneiros nos legaram ao longo da história de nossa cidade e de nosso Município, instalado a 1° de janeiro de 1960; portanto são 43 anos de autonomia político – administrativa. Sempre que nos referimos aos pioneiros de Iacri, devemos considerar que ao lado de um pioneirismo valoroso foi desbravamento da terra e com a implantação de culturas agrícolas e atividades pastoris, o que caracterizou nossos primeiros habitantes e perdura até os dias atuais, foi e continua sendo a fé inquebrantável em Deus, que deu ânimo a uma plêiade de valorosos homens, muitos de outras nacionalidades, que no seio acolhedor e generoso de nossas terras, através de um labor persistente, plantaram o futuro de nosso município, formando suas famílias no exemplo do trabalho árduo e abençoado do trato da terra. Nada foi capaz, nem o desconforto, nem a falta de estradas, nem a falta de maiores recursos financeiros, de obter o pioneirismo iacriense já acostumado ao trabalho em outras plagas, na caminhada para o desenvolvimento e na formação de suas famílias, hoje espalhadas por todo o Brasil, embora uma pequena parcela resida em nossa cidade e até na zona rural. No dia 21 de junho de 1933, dia de São Luiz Gonzaga, padroeiro da cidade, estava ocorrendo a fundação do povoado de Iacri, através de seu fundador Sylvio de Giulli, nascido em Rovigo, na Itália, em 06 de janeiro de 1880 e que veio a falecer em 23 de fevereiro de 1946, em Iacri. O município tem sua história ligada a abertura da estrada de ferro da Companhia Paulista, em 1935. Na época, o vizinho município de Bastos era uma fazenda de 12.000 alqueires, denominada FAZENDA Bastos, foco da produção algodoeiro, por motivo da imigração japonesa, que utilizava a estrada de ferro para o transporte da produção.